Por que não devemos usar enxaguante bucal com frequência? ido goiânia

Por que não devemos usar enxaguante bucal com frequência?

Estar sempre com um hálito refrescante é o que todos desejam, não é mesmo? Assim, muitas pessoas tendem a utilizar com frequência enxaguantes bucais, inclusive os que possuem álcool em sua composição. Mas a grande questão é: o uso frequente de antisséptico bucal é prejudicial à saúde?

Para compreendermos a resposta, é necessário entender do que se trata esse produto tão divulgado em muitos anúncios.

Os antissépticos bucais são produtos comumente utilizados como um reforço da higienização bucal. Sua proposta comercial é deixar os dentes mais brancos e saudáveis, além de eliminar cerca de 99% dos germes e bactérias presentes na boca, o que na teoria parece ser a melhor escolha possível, já que todos desejamos um sorriso perfeito e um hálito cheio de frescor.

Mas não é tão simples assim, infelizmente o uso irregular de enxaguantes bucais, como são popularmente conhecidos, pode danificar os tecidos da boca como a bochecha e gengiva, desenvolver problemas de saúde e agravar problemas já existentes.

Confira abaixo algumas das principais consequências

Já vimos como esse produto é bastante utilizado como método auxiliar durante a higiene bucal, agora vamos descobrir quais são as consequências quando utilizado indiscriminadamente.

Deterioração do esmalte: Assim como qualquer produto composto por álcool, os antissépticos ao longo do tempo podem provocar o desgaste do esmalte dental, o que por sua vez causará outros problemas.

Mancha nos dentes: Pela possibilidade do produto causar a deterioração do esmalte, ele também aumenta a porosidade dos dentes, o que os deixam mais suscetíveis à pigmentação e surgimento de manchas. Outro fator é a presença de clorexidina em grande parte dos antissépticos, um componente de ação antimicrobiana, famoso por causar o amarelamento no esmalte dental.

Redução do paladar: A língua é composta por papilas gustativas, que são responsáveis pela identificação dos sabores. Os componentes químicos presentes na maioria dos antissépticos também afetam a função das papilas e provocam a redução do paladar.

Sensibilidade dentária: A sensibilidade muitas vezes é um sintoma do desgaste excessivo da parte externa dos dentes. Como já vimos anteriormente, o esmalte é afetado pelo álcool presente na maioria das fórmulas, e é apenas uma questão de tempo para que o incômodo da sensibilidade interfira nos melhores momentos da vida.

Mau hálito: Isso mesmo! Você não está lendo errado. O uso irregular desse tipo de produto pode desencadear justamente um dos principais problemas que promete solucionar.
Isso acontece porque os componentes químicos do produto muitas vezes ressecam as mucosas de toda a região bucal, o que causa a descamação dos tecidos e formação de placa bacteriana causadora do mau odor.

Câncer de boca: Você deve estar se perguntando se o uso frequente de antisséptico bucal pode ser tão nocivo a ponto de desenvolver uma doença tão assustadora. Mas infelizmente o uso prolongado e indiscriminado do produto pode sim colocar a saúde em risco, e até mesmo provocar o surgimento de doenças graves.

Logo no início deste conteúdo falamos sobre uma das promessas comerciais da maioria dos antissépticos: (eliminar até 99% dos germes e bactérias). Nesse caso, o grande problema é que a flora bucal é composta por bactérias necessárias para a preservação e proteção da saúde. Quando os microorganismos benéficos são eliminados, as bactérias prejudiciais podem se propagar com maior facilidade. Portanto, com toda essa alteração como as frequentes lesões bucais, alteração do pH e destruição da flora saudável, ao longo do tempo o risco de problemas cancerígenos se torna cada vez maior.

E se o dentista recomendar?
Mas então, isso quer dizer que você jamais deve utilizar antissépticos bucais?

A resposta é bem simples. O antisséptico deve ser tratado como um medicamento e utilizado somente sob a recomendação do seu dentista durante um curto período, já que pode ser inserido brevemente durante o pré ou pós-operatório de algum tratamento específico. Outra questão importante para ressaltar é que hoje em dia já existem antissépticos sem álcool ou componentes causadores de manchas nos dentes.
Converse com o seu dentista para saber qual é o mais recomendado para o seu caso.

Como manter a boca livre de doenças? 
A orientação profissional de todo dentista deve ser a realização da higiene mecânica. Não há produtos que façam a substituição de uma boa escovação acompanhada do uso de fio dental. Portanto, higienize corretamente os dentes após as refeições, evite ingerir alimentos cítricos e bebidas alcoólicas, tenha uma boa dieta e visite o seu dentista regularmente. Assim você garante dentes bonitos e saudáveis para viver com toda a qualidade que você merece e curtir os melhores sorrisos.

Gostou do conteúdo e deseja saber mais? Siga nossas redes sociais e acompanhe todos os conteúdos publicados semanalmente com muito carinho para você.

5 thoughts to “Por que não devemos usar enxaguante bucal com frequência?”

Comentários fechados.